EM 2020, A COVID-19 FOI A SEGUNDA PRINCIPAL CAUSA DE MORTE EM PORTUGAL

EM 2020, A COVID-19 FOI A SEGUNDA PRINCIPAL CAUSA DE MORTE EM PORTUGAL


As mortes por AVC, principal causa de morte em Portugal, aumentaram mais de 4%. No geral, as mortes por doenças do aparelho circulatório atingiram o valor mais elevado dos últimos 10 anos, segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística.

A covid-19 foi a segunda principal causa de morte em 2020, segundo dados provisórios divulgados esta segunda-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). Morreram 7125 pessoas vítimas da doença, o que representa 5,8% do total de óbitos ocorridos no país nesse ano.

No resumo que acompanha os dados divulgados, o INE explica que os resultados sobre as mortes por covid-19 têm em conta o número de óbitos "em que a causa básica de morte, ou seja, a doença que iniciou a cadeia de acontecimentos patológicos que conduziram à morte, foi a doença covid-19".

Mais de metade das mortes por covid-19 registaram-se nos meses de novembro e dezembro de 2020 (64,0%). Quanto à taxa de mortalidade por esta doença, foi de 69,0 óbitos por 100 mil habitantes, sendo mais elevada nos homens (76,4 por 100 mil) do que nas mulheres (62,5 por 100 mil).

Além de o número de óbitos do sexo masculino ser superior, os homens também morreram mais cedo, com 79,9 anos em média, quando a idade média das mulheres situou-se nos 83,4 anos. Em termos geográficos, também há discrepâncias, com a região Norte (91,5 por 100 mil habitantes) e a Área Metropolitana de Lisboa (71,5) a registarem os maiores números de óbitos. No outro extremo, está a Região Autónoma da Madeira, com a mais baixa taxa de mortalidade por covid-19 (5,9).

 

Mortes por AVC aumentam mais de 4%

As doenças do aparelho circulatório, em que se incluem os acidentes vasculares cerebrais (AVC), doença isquémica do coração e enfarte agudo do miocárdio, continuam, porém, a ser responsáveis pelo maior número de mortes em Portugal. A taxa de mortalidade por estas doenças atingiu, aliás, o valor mais elevado dos últimos 10 anos, sendo "consideravelmente mais elevada do que no ano anterior", sublinha o INE.

Dentro destas, destacam-se as mortes por AVC, principal causa de morte no país — aumentaram 4,2% em relação ao ano anterior, com as mulheres a serem as principais atingidas. Já as mortes por doença isquémica do coração (angina) e por enfarte agudo do miocárdio diminuíram face a 2019 (4,4% em ambos os casos).

No total, morreram 34.593 pessoas por doenças do aparelho circulatório, o que corresponde a um aumento de 2,9%. Estas doenças foram, aliás, responsáveis por quase um terço das mortes em Portugal no ano em análise (28,0%).

 

Mortes por doenças do aparelho respiratório diminuem 8%

As doenças do aparelho respiratório, que não incluem a covid-19, destacam-se por razões diferentes: o número de mortes causadas por estas doenças diminuiu 8%. Destacam-se as mortes por pneumonia, que diminuíram 7,3% face ao ano anterior (o peso destas mortes na mortalidade geral também diminuiu pelo terceiro ano consecutivo).

Também as mortes causadas por tumores malignos da traqueia, brônquios e pulmão (destacados pelo INE) diminuíram: foram registadas menos 2%. No geral, as mortes por cancro diminuíram em relação a 2019 (menos 0,5%), mas continuam a ter um peso muito significativo na mortalidade em Portugal.

Fonte: ANEL e Expresso